Les Saint Armand

Les Saint Armand

“Um dos nomes a ouvir em 2017”

Têm nome francês, mas escrevem e cantam em português. Assim celebram a vida. Falam de amor, da vontade, da razão e da loucura. Em formato acústico, próximo da “canção de autor”, a várias vozes, os Les Saint Armand valorizam a palavra. A sua música tem um carácter próprio, já marcado por dez anos de existência. Em constante mutação e maturação, apresentam agora o seu primeiro álbum oficial, “Nó”.
Eleitos pela Time Out Porto como um dos “Nomes a ouvir em 2017”, o álbum “Nó” foi ainda nomeado como um dos melhores EP’s de 2016 pelo programa Santos da Casa da RUC e pelo blog A Certeza da Música.
São uma das actuações a não perder no Palco Bricelta.

2017

Confirmado.

The Oafs

The Oafs

“My scars and stories”

Os The Oafs são Afonso Carvalhido, Eva Gomes, João Dias e Raul Carvalho.
Formaram-se em 2013 fruto da vontade de exprimirem o seu amor pela arte musical e movimentam-se num universo folk a quatro vozes, amparados de um baixo, um clarinete, guitarras e percussão.
“Oaf” é uma pessoa desajeitada, precisamente como o lado que querem cativar de cada pessoa que os ouve e experiencia ao vivo, para que se liberte e aproveite a sua música e o que a rodeia.
Depois de um bem sucedido primeiro EP “Mr. J” em 2015, e com mais de 60 concertos dados por todo o país, avançaram para a concepção do seu primeiro álbum “My scars and stories”. Nele contam-se as histórias, as boas e as más, que nos seus dias acontecem, que os acordam de noite, os levantam da cama e os obrigam a escrever, a criar e a evoluir.
Depois de percorrerem o país e de visitarem a vizinha Galiza, chegam a Ponte da Barca onde querem mostrar a sua cuidada evolução.

2017

Confirmado.

The Town Bar

The Town Bar

“At the bar”

Os The Town Bar formaram-se em 2014 no Cartaxo e a sua sonoridade percorre caminhos entre a folk, o country ou o rock, utilizando, entre outros, instrumentos como o ukulele, o trompete e a harmónica.
Após terem pisado palcos como o NOS Alive ’14 ou o Festival do Avante em 2015, a banda é convidada a distribuir o disco de estreia “At the bar” pela Universal Music, título que saiu no passado mês de Setembro. O single homónimo alcançou o 1º Lugar no ranking global da Tradiio, tendo sido eleita música do dia e escolha de playlist na Soho Radio de Londres e na Rádio Nacional de Espanha. Em Portugal os The Town Bar têm o apoio da Antena 3.
A banda é composta por Filipe Nicolau na voz, guitarra, ukulele e guitalele; Miguel Nicolau na bateria e voz; Artur Correia no trompete, harmónica e voz; Luis Mirradinho no baixo e voz; e David Colaço no piano. Apresentam-se este ano pela primeira vez em Ponte da Barca.

2017

Confirmado.

Rura

Rura

Folk escocesa

Considerados pela prestigiada revista Songlines como “uma das mais entusiasmantes bandas da actualidade na cena folk escocesa”, os Rura foram nomeados em 2015 como Melhor Actuação do Ano nos Scots Trad Music Awards e novamente nomeados o ano passado como Melhor Banda Folk.
Os Rura nascem em 2010 depois da participação no mundialmente conhecido Festival Celtic Connections onde actuaram posteriormente por sete anos consecutivos. Cinco anos mais tarde, com a edição de “Despite the dark”, iniciam uma intensa digressão internacional que os levou a actuar um pouco por todo o mundo, correndo o circuito de festivais folk em mais de 20 países.
Hoje, Steven Blake, Adam Brown, David Foley e Jack Smedley’s orgulham-se de ter atingido o estatuto de ser uma das mais poderosas bandas escocesas de folk contemporâneo com actuações ao vivo que fazem a diferença pela sua carga energética e mestria na execução.
A sua mistura sonora requintadamente robusta e refinada de violino, gaita de foles, flauta, bodhran e guitarra conquistou seguidores em todos os cantos do globo, incluindo imprensa especializada.
Este ano apresentam-se no Palco Terras da Nóbrega em Ponte da Barca, sendo uma das actuações mais esperadas desta edição.

2017

Confirmado.

Quique Escamilla

Quique Escamilla

Melhor Artista nos Canadian Folk Music Awards de 2014

Proveniente do estado de Chiapas, no México, Quique Escamilla tem vindo a ganhar um lugar de protagonismo na world music.
No país de adopção, o Canadá, tornou-se presença habitual nos melhores festivais de música e teatros através da sua fusão do rock com ritmos populares mexicanos de que são exemplo o huapango ou a ranchera, à qual se junta uma forte mensagem política de apoio à revolução Zapatista, à luta pelos direitos humanos, à liberdade e igualdade entre nações.
No seu curriculum contabilizam-se o prémio de Melhor Artista nos Canadian Folk Music Awards de 2014, o prémio de Melhor Artista Canadiano nos Juno Awards de 2015 e o ano passado foi um dos artistas convidados a integrar o painel de concertos do WOMEX, em Santiago de Compostela.
Em 2017 estreia-se em Portugal no line-up do Palco Bricelta.

2017

Confirmado.