Sopa de Pedra

As Sopa de Pedra mais do que um grupo vocal feminino dedicado ao canto a capella de canções de raiz tradicional são a prova de que é possível olhar para o futuro sem menosprezar o que está para trás, através de um revivalismo da música tradicional portuguesa com o preciosismo que tanto lhe é merecido. É através de adornos, harmonias e arranjos novos que o grupo de dez mulheres traz de novo à memória todo o esplendor do passado, usando, sempre, o instrumento mais potente que o Homem não inventou: a voz.

Neste espaço partilham o gosto pela música tradicional portuguesa e pelas composições de cantautores portugueses que nela se inspiraram como Zeca Afonso, José Mário Branco, João Loio e Amélia Muge, cujas canções integram atualmente o repertório do grupo.

O reportório do grupo inclui sobretudo música de tradição oral das várias regiões portuguesas, estendendo-se dos cânticos mirandeses de Trás-os-Montes às baladas açorianas, das cantigas de adufeiras da Beira Baixa ao Cante alentejano. Mas também há nele lugar para músicas tradicionais de outros países, como Espanha e Israel, ou para temas originais.

Tal como no conto popular da Sopa de Pedra, a criação musical começa com uma base simples – uma pedra, uma tradição, uma melodia, um cantar – a que, ao longo do tempo, se vão adicionando novas facetas e novas vozes até surgir uma harmonia viva que, de cada vez que se canta, ou de cada vez que se junta um amigo, se reinventa.

2018

2º Dia, sábado 28 de Julho