Júlio Pereira

“Cavaquinho.pt”

Compositor, multi-instrumentista e produtor, Júlio Pereira teve a sua primeira incursão na música com apenas 7 anos de idade quando aprende a tocar bandolim com o seu pai. Durante a adolescência faz parte de várias bandas de rock, mas é a partir dos seus 20 anos em plena revolução de Abril de 74 que se junta aos mais importantes compositores portugueses da altura destacando-se a colaboração com José Afonso. A partir daí grava os seus primeiros álbuns de autor: “Bota Fora”, “Fernandinho vai ó vinho”, “Lisboémia” e “Mãos de Fada”.

Em 1981 lança o álbum Cavaquinho, um trabalho que veio abrir novas portas à música portuguesa, totalmente instrumental, resultado de uma longa investigação – ganhando todos os prémios de música do País – iniciando assim o seu percurso como instrumentista.

Seguem-se “Braguesa” e “Nortada”, ambos editados no ano de 1983, “Cadoi” um ano mais tarde, “Os sete instrumentos” em 1986, e ainda “Miradouro “ e “Janelas Verdes” que datam respectivamente de 1987 e 1990. “O meu Bandolim” e “Acústico” abrem terreno para a colaboração com Kepa Junkera do País Basco que se materializaria em “Lau Eskutara” editado no ano de 1995.

Já na década de 2000, sai para as lojas “Rituais” que serviu de base à coreografia com o mesmo nome de Rui Lopes Graça e os bailarinos da Companhia Nacional de Bailado, e “Faz-de-conta” que viria a ser o primeiro CD Multimédia para crianças.

Pelo meio Júlio Pereira teve uma intensa agenda de espetáculos por todo o mundo, onde produziu, orquestrou e participou como multi-instrumentista em vários discos de outros autores, colaborando paralelamente com vários nomes da música entre os quais: Kepa Junkera, Pete Seeger, Mestisay e The Chieftains – com os quais grava o CD “Santiago” que ganha o Grammy Award em 1995.

Em 2006 colabora no filme Fados de Carlos Saura com Chico Buarque e Carlos do Carmo produzindo o tema “Fado Tropical”. Ainda com o Bandolim, grava o CD Geografias e cria um concerto com o mesmo nome que apresenta dentro e além fronteiras.

A discografia não fica completa sem falarmos de “Graffiti” um álbum de canções que conta com a participação de cantoras de vários países entre as quais: Dulce Pontes, Maria João, Sara Tavares, Olga Cerpa (Espanha), Nancy Vieira (Cabo-verde) e Luanda Cozetti (Brasil).
Dos concertos dados ao longo deste tempo destaca-se aquele que dirige no Théâtre de la Ville em Paris (2012) de homenagem a José Afonso com artistas da atualidade como António Zambujo, Mayra Andrade, João Afonso, entre outros.

Em 2013 retoma o cavaquinho e grava o disco “Cavaquinho.pt” como ponto de partida para uma nova etapa dedicada a este instrumento. Atualmente é Presidente da Associação Museu Cavaquinho que visa documentar, preservar e promover a história e a prática deste instrumento.

2015

24 de Julho no Palco Somersby