Diabo a Sete

Parainfernália e Tarara

O grupo sedeado no Ateneu de Coimbra nasceu em 2003 e, desde então, tem percorrido vários palcos nacionais (e não só), tocando em festivais como o MED em Loulé, o Intercéltico de Sendim, o Bons Sons em Cem Soldos e o Festival Músicas do Mundo de Sines. Os Diabo a Sete têm vindo a construir um repertório baseado em temas originais e outros inspirados na música tradicional portuguesa, ainda que procurem sempre abordá-los sem preconceitos puristas e com a consciência de que a música que elaboram é contemporânea.

Em 2007, a banda lançou Parainfernália , o seu primeiro trabalho. Quatro anos depois, surgiu Tarara, que contou com a participação de vários músicos convidados, entre os quais Carlos Guerreiro (Gaiteiros de Lisboa), uma das vozes do tema Paraíso Fiscal . Os novos temas de Figura de Gente aprofundam a tarefa de pegar em ritmos, sons e instrumentos associados à tradição e de lhe dar letras, roupagens e desenhos melódicos actuais.

Na formação dos Diabo a Sete encontramos Celso Bento nas flautas e gaita-de-foles, Eduardo Murta no baixo eléctrico, Sara Vidal na voz, adufe, pandeireta e harpa, Luísa Correia na guitarra, Miguel Cardina na bateria e percussões, e, por fim, Pedro Damasceno no bandolim, cavaquinho, concertina e flautas.

2017

Confirmado.