10º Festival Folk Celta com cartaz completo para dias 27, 28 e 29 de Julho

O line-up inclui artistas de Portugal, Espanha, Costa Rica, México e Escócia

O Festival Folk Celta anuncia hoje o line-up completo para aquela que é a edição comemorativa do seu 10º aniversário, a decorrer de 27 a 29 de Julho na Praça Terras da Nóbrega, em Ponte da Barca. Inserido em plena Reserva Mundial da Biosfera, com as margens do Rio Lima e do seu afluente Vade como cenário, o Festival Folk Celta é organizado pela Câmara Municipal de Ponte da Barca que decidiu este ano estender o evento a três dias.

 No dia de abertura, 27 de Julho, o Palco Terras da Nóbrega fica entregue ao musical Keltia, uma produção de Andrea Pousa e Queiman, que conta a história do nascimento da Cultura Atlântica em terras galegas quando a Europa ainda estava sobre uma capa de gelo. O musical tem cerca de 40 intervenientes em palco e mescla canto, teatro, declamação, dança e fogo. Logo de seguida, os The Oafs, que repetem a participação no festival agora para apresentarem o disco de estreia “My scars and stories”, e que inauguram o Palco Bricelta. A noite fecha ao som dos estreantes Peregrino Gris que nos chegam da Costa Rica e que trazem consigo três discos de originais muito bem recebidos pela crítica. O quarteto apoiado pelo fundo Ibermúsica parte da música tradicional folk mas aportando a visão e ritmos da América Central.

O segundo dia do festival, 28 de Julho, começa cedo com o primeiro espetáculo a decorrer a partir das 20h30 com o mexicano Quique Escamilla.  Considerado um nome em ascensão na world music, funde o rock com os ritmos populares mexicanos à qual junta uma forte mensagem política. Meia hora depois arranca o Palco Terras da Nóbrega com o concerto dos portugueses Diabo a Sete, que trazem um repertório baseado em temas originais e outros inspirados na música tradicional portuguesa. Seguem-se Xavier Diaz & Adufeiras de Salitre – um projeto que une um grupo de percussionistas e cantoras de música popular a Gutier Álvarez na safona e violino, Javier Álvarez no acordeão diatónico e Xabier Díaz, nome maior da música galega – e também os galegos Kalakan, grupo de três cantores e percussionistas, que se fazem acompanhar neste espetáculo de Luís Peixoto. Neste mesmo dia, o Palco Bricelta recebe os Chulada da Ponte Velha que se dedicam a retomar as práticas musicais do Douro e do Minho, e os Enraizarte compostos por 8 músicos quase todos vindos dos campos da música erudita.

O terceiro e último dia do festival, 29 de Julho, abre com os Mac Mardigans de Toledo (Espanha) à qual se seguem os Les Saint Armand, considerados pela Time Out Porto como um dos nomes a ouvir este ano, e os The Town Bar que percorrem os caminhos da folk, country e rock. Já o Palco Terras da Nóbrega recebe os Virandeira, que depois de uma performance energética e contagiante o ano passado carimbaram o passaporte de regresso para a 10ª Edição, e os Rura que nos chegam da Escócia e que são sem dúvida uma das atuações mais esperadas deste ano. Considerados pela prestigiada revista Songlines como “uma das mais entusiasmantes bandas da atualidade na cena folk escocesa“, os Rura foram nomeados em 2015 como Melhor Atuação do Ano nos Scots Trad Music Awards e novamente nomeados o ano passado como Melhor Banda Folk. O festival encerra a sua 10ª Edição ao som dos foliões e bem dispostos Kumpania Algazarra que se caracterizam pela influência balcânica da sua sonoridade mas à qual não faltam o calor tropical, o balanço oriental e arabesco, os beats da música de dança e o hip-hop. Servem-se neste menu melodias inebriantes, a força dos sopros e o ritmo de festa, necessários para prolongar o espírito de dança noite dentro.

As portas abrem a partir das oito da noite e os ingressos custam 10€ para cada um dos dias, podendo ser adquirido um bilhete especial de dois dias por 15€ ou o passe completo por um preço promocional de 20€ no Posto de Turismo de Ponte da Barca ou através de pré-reserva pelo facebook oficial do Festival, estando também à venda nos locais habituais através da Ticketea em: https://www.ticketea.pt/bilhetes-festival-folk-celta-portugal-2017/

Em paralelo, existe um espaço de venda e exposição, onde podem encontrar cerveja artesanal, licores tradicionais, queijos e enchidos da região, sabonetes artesanais, óleos e unguentos naturais, e ainda uma área de restauração a trabalhar durante todo o horário dos concertos.

Dia 27 de Julho

Palco Terras da Nóbrega

22h30 – Keltia, o Musical (ES)

00h30 – Peregrino Gris (CR)

Palco Bricelta

23h30 – The Oafs (PT)

Dia 28 de Julho

Palco Terras da Nóbrega

21h00 – Diabo a Sete (PT)

22h30 – Xabier Diaz & Adufeiras de Salitre (ES)

00h00 – Kalakan feat. Luís Peixoto (ES-PT)

Palco Bricelta

20h30 – Quique Escamilla (MX)

22h00 – Chulada da Ponte Velha (PT)

23h30 – Enraizarte (PT)

Dia 29 de Julho

Palco Terras da Nóbrega

21h00 – Virandeira (ES)

22h30 – Rura (GB)

00h00 – Kumpania Algazarra (PT)

Palco Bricelta

20h30 – Mac Mardigans (ES)

22h00 – Les Saint Armand (PT)

23h30 – The Town Bar (PT)

Festival Folk Celta confirma novos artistas e coloca bilhetes à venda

De 27 a 29 de Julho, a vila minhota de Ponte da Barca volta a ser palco do Festival Folk Celta que durante três dias vai mostrar o melhor da música folk de matriz celta com artistas provenientes de várias latitudes.

Já confirmados para esta 10ª Edição estão os galegos Xabier Díaz e Adufeiras de Salitre, e os Kalakan que se juntam ao português Luís Peixoto neste espetáculo. De Portugal, surgem-nos os Diabo a Sete e também os Kumpania Algazarra.

A organização revela hoje mais quatro artistas para o line-up. Primeiro, os Enraizarte compostos por 8 músicos, quase todos vindos dos campos da música erudita, que se propõem a recriar temas tradicionais transmontanos mesclando-os com músicas originais. Outra novidade são os Virandeira Folk, que experimentaram uma enriquecedora evolução desde a sua criação em 2010. Da sonoridade melódica dos seus primeiros temas, evocando a cultura celta e galega, à fusão com outros géneros musicais de que é exemplo o rock, souberam reinventar-se ao longo do tempo numa busca incessante por novas fronteiras musicais. Da Costa Rica, chegam-nos os estreantes Peregrino Gris que partindo da música tradicional da Escócia, Irlanda e Galiza, imprimem nas suas composições originais as raízes latinas do seu país numa formação que inclui gaita de foles, whistles, flauta, teclados, guitarra, acordeão, violino, baixo eléctrico, contrabaixo, bateria e percussão. Por fim, Keltia o Musical, que conta a história do nascimento da Cultura Atlântica em terras galegas quando a Europa ainda estava sobre um manto de gelo e a vida humana só era possível em terras de Keltia, na Galiza. Em palco cerca de 40 intervenientes numa produção que inclui canto, teatro, declamação, dança e fogo.

O cartaz desta 10ª Edição ainda promete mais surpresas, mas se não querem perder pitada deste ano comemorativo do Festival Folk Celta reservem os dias 27, 28 e 29 de Julho nas vossas agendas. Os bilhetes já se encontram à venda no seguinte link e têm o preço de 20€ o passe geral, 15€ o passe para dois dias e 10€ o bilhete diário.

https://www.ticketea.pt/bilhetes-festival-folk-celta-portugal-2017/

Para mais informações aceder ao website oficial em:
http://folkcelta.pt/

ou então consultar a página oficial de Facebook em:
https://www.facebook.com/folkcelta/

Festival Folk Celta passa a três dias e anuncia as primeiras confirmações

De 27 a 29 de Julho, Ponte da Barca, recebe a 10ª Edição do festival

A vila de Ponte da Barca, marcada pela sua biodiversidade e excelência gastronómica, volta a ser a capital da música folk de matriz celta no fim-de-semana de 27, 28 e 29 de Julho. Aquela que a é a 10ª edição do certame apresenta-se com um formato diferente de três dias, apostando como habitualmente em novos e consagrados talentos da música folk europeia.

Neste caso, as primeiras confirmações delimitam-se à geografia ibérica. Da Galiza, Xabier Díaz e Adufeiras de Salitre – um projeto que une um grupo de percussionistas e cantoras de música popular a Gutier Álvarez na sanfona e violino, Javier Álvarez no acordeão diatónico e o naturalmente Xabier Díaz, nome maior da música galega com profunda ligação a bandas como Berrogüetto, Nova Galega de Danza, ou ACadaCanto – e Kalakan & Luis Peixoto que contam com um invejável currículo de colaborações. Os Kalakan, um grupo de três cantores e percussionistas que se servem da sua raiz basca para compor em Euskara e que recentemente tiveram a imprensa internacional em cima ao acompanharem a tour de Madonna em 2012. Luís Peixoto, por sua vez, tem várias edições discográficas e é recorrentemente chamado a atuar com Sérgio Godinho, Kepa Junkera, Anxo Lorenzo, Ana Bacalhau ou Celina da Piedade, só para citar alguns.

De Portugal surgem duas confirmações. Diabo a Sete, que regressam aos palcos com o terceiro disco de originais “Figura de Gente”, onde pegam em ritmos, sons e instrumentos associados à tradição e lhes dão letras, roupagens e desenhos melódicos mais atuais. Recorde-se que na algibeira têm ainda “Parafernália” e “Tarara” que traz a colaboração de Carlos Guerreiro dos Gaiteiros de Lisboa. E os Kumpania Algazarra, que preparam novo disco e que nos prometem uma noite de festa ambulante, ao estilo das fanfarras europeias, com um cocktail de música animada que inclui sons balcânicos, árabes, latinos, africanos, ska, funk, e até o hip-hop.

O cartaz desta 10ª Edição ainda promete muitas surpresas, mas os dias 27, 28 e 29 de Julho já ficam reservados nas vossas agendas.